CONSCIÊNCIA CORPORAL E NOSSA SEXUALIDADE

Atualizado: há 2 dias

Como diz Casilda R. Bustos: “O orgasmo feminino autêntico não ocorre nem no clitóris nem na vagina. Ele tem sua origem no colo do útero. O orgasmo cérvico-uterino difere radicalmente de todos os outros prazeres em intensidade, profundidade, qualidade, principalmente em ritmo, em extensão. É mais difuso. Acaba envolvendo o corpo todo.” A sexóloga Maryse Choisy , na década de 1960, realizou um acompanhamento, com questionário, durante 15 anos, sobre sexualidade de 195 mulheres, com vagina e útero. Chegando à conclusão de que o útero é o centro do sistema erógeno da mulher e atua como uma caixa de ressonância do prazer. Choisy fala de um orgasmo cérvico-uterino que, de modo geral, confunde-se com o orgasmo vaginal, e que é o mais intenso e de maior prazer, que se estende por todo o organismo. A nossa cultura ainda desconhece a sexualidade uterina, fala de orgasmo clitoriano e de orgasmo vaginal e muito pouco do orgasmo cervical, que “simplificando” acontece numa “esponjinha” que conecta o colo do Útero e o canal vaginal.(ver imagem) Não podemos esquecer que na antiguidade, a função sexual e erógena do útero era perfeitamente conhecida. Como disse Choisy, a vagina é o canal que conduz ao verdadeiro órgão sexual da mulher, o útero, que uma vez desconectado da consciência, desaparece, inviabiliza-se. Importante: Estas estudiosas colocam o Útero com o “verdadeiro órgão sexual da mulher”, sim realmente tem uma potência diferenciada nessa experiência, porém gosto de estudar e experimentar essa possibilidade do orgasmo cervino-uterino como mais uma possibilidade além do clitoriano e vaginal e considerar todos “verdadeiros”! Te convido a retomar o contato com seu útero, merecemos conhecer mais o nosso corpo e usar tudo isso a serviço da vida! artes neolíticas que mostram por onde sentiam que o prazer passa, do livro Pariremos com Prazer, de Casilda Rodrigañez Bustos. Da @editoraluas anatomia do site shutterstock



2 visualizações0 comentário